Limbo
Poema enviado por: Marcelo Sizenando de Almeida
 
Limbo



A dor atravessa a extensa sala repleta

De dores que se cruzam no caminho

Não há cores que reflitam árida imagem

Apenas longos olhares desviados no infinito

Corpos desnudos de almas sem sexo

Se arrastam com mãos postas abatidas

Nem o frio nem o vento sopram seus cabelos

Caídos cinzentos em transparente espírito

Seres desalmados seres perdidos

Caídos no limbo de perenes noites

Apenas vagam sem rumo esquecidos

Lançados fora do paraíso eterno
 
Autor: Marcelo Sizenando de Almeida
» Ações
            

» Dados sobre o Poema
Título Limbo
Autor Marcelo Sizenando de Almeida
Categoria Solidão
Cadastro 31/10/2014 00:19:48
Visitado 592 vezes
Enviado 1 vez



» Enviar este Poema
 
Seu nome
Seu e-mail
Nome do Destinatário
E-mail do Destinatário
Escreva uma Mensagem
  
 

© Copyright 1998 - 2019 Poemas de Amor. Todos os direitos reservados.